A Colônia de Pescadores Z 7 foi fundada no ano de 1925. Na época, um grupo de amigos se reuniu e resolveu fundar uma Colônia de Pescadores. Os amigos eram: Emanoel Rebelo dos Santos (Seu Santinho), Hermogenes de Assis Feijó, Lindolfo André Linhares, José Francisco Vítor e Manoel Sinfroneo Rodrigues (Seu Tecão).
A Colônia de Pescadores funcionou normalmente até o ano de 1943, tendo como presidente Emanoel Rebelo dos Santos. Entre os anos de 1943 e 1963, a Colônia de Pescadores sofreu um “processo de interrupção”, em decorrência da 2ª Guerra Mundial. O Brasil era governado por Getúlio Vargas e foi o único país latino-americano a participar da guerra. Essa participação rendeu ao país algumas vantagens, mas, em contra-partida, marcaria a memória de muitas famílias brasileiras. De acordo com o Centro de Pesquisas da Fundação Getúlio Vargas, para a população brasileira o cotidiano da guerra ocasionou a escassez de determinados alimentos, produtos industriais e gasolina, o que fez os preços dispararem. Sem contar as repressões e os problemas sociais, como a restrição dos direitos individuais e a repressão às diferenças étnicas. Reflexos como estes foram vivenciados também no Bairro da Barra, o que ocasionou o fechamento da Colônia de Pescadores Z 7.
Da década de 1970 a 1990, a Colônia de Pescadores desenvolveu serviços na área da Saúde Pública, através de convênios com o Funrural e outros órgãos. Hoje, os serviços prestados são o de orientação junto aos órgãos competentes, como Capitania dos Portos, Secretaria da Agricultura, INSS e outros serviços que são necessários à classe pesqueira.
Sempre no mês de julho acontece a tradicional Festa do Pescador, em comemoração ao Dia do Pescador. A festa dura dois dias, com apresentações folclóricas da região, eleição da rainha do pescador e culinária típica da cidade. Além de frutos do mar, é oferecido carne assada, quentão, pinhão e comidas típicas do mês de julho. A festa é palco para grandes apresentações, faz parte do calendário da cidade e conta sempre com um bom número de pessoas.
As lembranças, as imagens, as pessoas e os lugares ajudam a contar nossa história. São experiências vividas, pessoas conhecidas e lugares frequentados que ficam registrados em nossa memória. Histórias e momentos que não podem ser esquecidos pelo tempo. Faça parte do resgate histórico cultural de Balneário Camboriú.
Se você tem fotografias, documentos ou outros registros que possam contribuir com a história do município, entre em contato pelo (47) 8464-5234 (Whatsapp) – com Gisele.
Fonte: Arquivo Histórico de Balneário Camboriú
Foto: Colônia de Pescadores (1978)

Compartilhar

Sobre a autora

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com