Memórias recuperadas, histórias vividas e muitas lembranças, vários contos e muitas saudades. Bairro de sonhos, de grandes amores, de muitos nomes e de um povo simples no viver, mas incrivelmente hospitaleiro e gentil. O nome do bairro não foi sempre o mesmo.

Historiadores e pesquisadores trazem sua interpretação sobre a história que, com poucas variações, tem definido o bairro como o berço do povoamento de Balneário Camboriú. Moradores estes que foram atraídos pelas terras férteis, abundância de pescados e pelo clima agradável. Um deles foi Baltazar Pinto Corrêa, que requereu terras para plantar e que foram concedidas por “sesmarias”, no ano de 1826, pelo então Presidente da Província. A história não conta, mas acredita-se que alguns moradores ali já residiam. Mas o primeiro morador com consentimento de terras de “sesmarias” foi ele. Existe até uma prosa cantada, em 1981, em uma das boas e grandes festas religiosas realizadas no bairro, onde o senhor Pedro Domingos Pinheiro, 67 anos, cantou com seu irmão já falecido. A prosa narra uma das versões sobre o povoamento do lugar¹:

“Eu vou falar da minha Barra querida,
o tempo que ela teve a sua fundação,
foi em mil setecentos e cinqüenta e oito,
veio dois homens com uma embarcação.
Eles saíram da praia de Porto Belo,
e viajaram beirando praia e costão,
até chegar nessa entrada de Barra,
onde os dois fizeram habitação.
Esses dois jovens colonizadores,
que chegaram nessa terra para habitar,
se chamavam Baltazar Pinto e Antônio Rosa,
não tinham estrada, viajaram pelo mar.
Não tinha igreja, fizeram uma capelinha,
para que todos tivessem onde rezar,
depois trouxeram a imagem de Santo Amaro
e consagraram padroeiro do lugar…”

Não se sabe, ao certo, a idade do bairro, talvez não seja tão antigo como cita a prosa. E quem sabe, os historiadores estejam certos de que foi somente no início do século XIX que vieram os colonizadores. Mas o que se tem realmente certeza é que a imagem de Santo Amaro existiu e ainda hoje está no interior da Igreja Nossa Senhora do Bom Sucesso.
De acordo com Rebelo², o bairro foi crescendo, porém poucas melhorias eram realizadas nas poucas ruas que existiam no bairro. Ele ainda ressalta que as poucas melhorias aconteciam somente quando eram solicitadas, através do antigo “nós abaixo assinados”.
Passados alguns anos e com a implantação do Regime Republicano, muitas coisas começaram a mudar. Período que gerou um movimento significativo para os republicanos, considerado por historiadores, como Isaque de Borba Corrêa³, como uma das melhores fases do bairro. E é nesse movimento que as lideranças políticas resolvem criar o Distrito de Paz da Barra. Isso datava, segundo Rebelo, “11 de agosto de 1894. Atendendo a uma solicitação liderada por Joaquim da Silva Santos, que foi nomeado Juiz de Paz do novo Distrito”.
Isso não levou muito tempo e logo o Distrito da Barra mudou para a Vila dos Garcia (hoje Camboriú). Com essa mudança o bairro sofreu um declínio, pois perdeu a sede do povoamento, diminuindo assim seu ritmo de desenvolvimento.
Hoje, no bairro um bom número de moradores continua sendo os nativos da cidade. A tradição folclórica e os valores culturais e religiosos continuam sendo repassados de pai para filho. Os moradores mais antigos trazem em suas lembranças histórias da Freguesia do Bom Sucesso, da Barra, enfim, do lugar que escolheram para morar.
As lembranças, as imagens, as pessoas e os lugares ajudam a contar nossa história. São experiências vividas, pessoas conhecidas e lugares frequentados que ficam registrados em nossa memória. Histórias e momentos que não podem ser esquecidos pelo tempo. Faça parte do resgate histórico cultural de Balneário Camboriú.
Se você tem fotografias, documentos ou outros registros que possam contribuir com a história do município, entre em contato pelo (47) 8464-5234 (Whatsapp) – com Gisele.
Fonte: Arquivo Histórico de Balneário Camboriú
¹Pesquisa: Barra de Camboriú uma História Centenária, de Silva Cristina Bomm. UNIVALI,1999.
²Rebelo, José Ângelo. Sem História não dá. E assim se fez Camboriú. Balneário Camboriú: Editora do Autor, 1997.
³Corrêa, Isaque de Borba. História de Duas Cidades: Camboriú e Balneário Camboriú. Balneário Camboriú: Editora do Autor, 1985.

Compartilhar
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com